Tuesday, February 24, 2009

Permita-me descansar o desassossego nas paginas do teu ser,
nas réstias do meu sentir sublinho o teu nome ainda por descobrir!
Desnudo o coração e deixo-o a entrada
da tua porta com uma fita de cetim
para que saibas que mo pertence,
ausento-me numa viajem sem sentires,
renovando a alma e baloiçando o espírito num jardim incompleto!
Sinto falta do pulsar silencioso do meu coração,
escuto as vozes como um eco dentro do meu peito
e num gesto rígido o meu olhar esvazia as emoções..
E neste altar de desejo
onde as velas iluminam a noite escura da minha solidão,
sinto o cheiro de incenso envolvendo as paredes nuas,
extravaso as fantasias desenhando uma oração,
desejando que as palavras invisíveis
tragam o meu coração de volta
com o teu nome gravado em mim!

Friday, February 20, 2009

Dance!

- Quero que dance, que sinta a música e esqueça que estou presente!
- Mas assim é mais difícil para mim...seria melhor imaginar que você não me estivesse vendo, agora que sei que fará esse papel será mais complicado!
- Pelo contrário! Apenas preciso senti-la, toca-la em meu imaginário, quero beber de seus movimentos, embriagar-me em seu perfume, contornar seu corpo com a sede de meu olhar e escorregar em sua essência como quem faz amor sem par ar para saciar! Quem dança precisa de uma plateia!Susana caminhou intrigada com aquele convite, sentiu o olhar de Rafael em seu corpo, seu silencio ensurdecedor fe-la corar, descalçou os sapatos sentindo o chão frio daquele palco revestido de almas solitárias, vestiu um véu transparente inadvertidamente pendurado perto de seu casaco deixando sua nudez exposta ao azul do seu olhar!
Respirou fundo, sentiu cada pulsar de seu coração e contemplou o vazio...abandonou-se por inteira, num abraço irresistível, delicioso seu corpo entregou-se deliberadamente a vida, em movimentos rítmicos num Tango absoluto!

Calor, corpos suados, foi neste estado que Susana entregou-se a si, a fascinante sensação de ser só, de se amar nesta dança onde seu corpo comandava seus impulsos, exibiu suas curvas sem pudores despindo sua pele conforme o som que tocava em cada parte de si. Rafael perdeu-se nela, seu olhar prendeu-se na beleza de sua dança, no deslizar dos seus passos, na infinitude de vários rostos no mesmo rosto delicado, doce como uma pétala perdida ao sabor do vento e da frescura de seus dias, pisou a relva molhada de chuvas passadas e correu para os seus braços, penetrando naquela selva mística de velas acesas e rituais pagãos e num ultimo suspiro respirou do seu ar colando seus lábios ao redor da sua aura.
Susana caminhou ao encontro de Rafael...sorriu harmoniosamente e num gesto suave deu-lhe um abraço de quem sabe que valeu a pena tentar!

Monday, February 16, 2009

Como esconder o olhar que corrompe o meu desejo?
Como um "voyeur" espreito pelo buraco da fechadura o teu ser, aquele que me leva a loucura, que derruba com as suas ondas agressivas o meu castelo feito de areia, que transforma o meu mar numa ausência constante, numa viagem infinita onde tento alcançar pedaços de ti na natureza do meu sentir!
Deslizo os meus dedos nas curvas do meu corpo percorrendo esta estrada infinita que me leva ate a ti.
Contemplo o teu adormecer adiando o Adeus, deixo-me ficar dentro de ti onde as emoções dão vida e cor as paredes frias do meu peito...

Thursday, February 12, 2009


"Sou uma filha da natureza:
quero pegar, sentir, tocar, ser.
E tudo isso já faz parte de um todo,
de um mistério.
Sou uma só... Sou um ser.
E deixo que você seja. Isso lhe assusta?
Creio que sim. Mas vale a pena.
Mesmo que doa. Dói só no começo."
¬ Clarice Lispector ¬

Wednesday, February 4, 2009

Amanhecer!

Luísa observava o amanhecer sentada naquela praia de areia branca e um mar de um azul mais azul que o céu.
Na tranquilidade deste momento só seu, a vida era a sua única companhia, aconchegou-se mais a si e ficou abraçada a ela, deu-lhe um beijo de leve para não marcar o seu rosto com batom, o único vestígio daquele beijo que ainda ardia em seus lábios.
Luísa sentiu o calor que só um corpo perdido de desejo alcança, sentia-se observada e através das cortinas daquele olhar despiu-se no mar, o mundo girava através das emoções que sentia e mergulhou ao encontro do corpo que a esperava na essência de cada despertar, entregou-se na certeza de amar um estranho, sentiu os dedos delicados delinearem as curvas dos seus seios e contornarem o seu ventre.
Luísa entregou-se aquelas mãos carentes de desejo e num abandono total deixou que o destino possuísse os vazios já há muito esquecidos na cave dos seus sentires...abriu caminho dentro de si deixando a descoberto um poema preso nas paredes do seu peito, a alma exilada deu lugar a um esboço de si...viu em seu olhar a força da vida e mergulhou neles na busca de tesouros escondidos e segredos há muito esquecidos, no pleno auge do seu orgasmo aniquilou com todas as dores e vestiu-se com a sua pele, sentindo o pulsar de cada emoção, penetrou no mais fundo de si e antes do amanhecer deixou que o mar a possuísse também!

Tuesday, February 3, 2009

O amor é uma fumaça,
gerada por um sopro de suspiro,
atiçado ele é um fogo
fascinante no olhar tormentado,
um mar, enchente de lágrimas.
E o que representa ainda?
Sensato delírio ...
(William Shakespeare )