Thursday, March 26, 2009

Apenas...SER!

Abre o livro do teu ser,
Deixa-me desvendar a retórica do meu sentir,
Mergulhar nas palavras
E navegar sem rumo
Nesta onda poética
Que levar-me-a ao mistério do teu corpo,
Procuro por mim em teu olhar
Dispo as lágrimas, dispo-me de mim!
Percorro a tua pele como se pertencesse a minha nudez
Abro caminho para que me sintas,
Na leveza deste encanto adormeço junto a ti
Abro a janela dos meus sonhos
E no silencio dos teus passos
Todos os caminhos vêm dar a mim!

Sunday, March 22, 2009

Se sinto medo...

Se sinto medo?
Sim as vezes sinto mais que o resto do mundo!
O que gostaria de dizer... Que tive momentos em que esperei e desejei que ele estivesse aqui!
Aqui no meu mundo, gostaria de lhe falar sobre mim e sobre as duvidas que persistiram na minha vida, e que ele com a sua voz calasse as minhas incertezas porque quando não temos respostas vivemos na duvida e no frio!
Mas cresci e aprendi a aceitar que eu mesma tenho que ir a procura de respostas e eu mesma terei que realizar os meus desejos.
Se ouve noites em que adormeci acordada com o seu abraço invisível sobre mim? Inúmeras vezes! Vezes sem conta que pedi-lhe algo! Um pequeno luxo, falei-lhe sobre a minha vida ainda em esboço...mas o que no entanto eu desejava era o gosto de lhe poder pedir algo, algo apenas sem vontade de receber mas o contentamento de dizer - "Preciso de ti, sabes disso?"
A solidão é para todos o ser só é o nosso único refugio....e tal como eu será um em um milhão!
Se aprendi algo com outros?

Todos os dias, vi rostos e vidas se cruzarem no meio do caminho, estranhos habitando esse mundo onde vivo uma existência emprestada.
Aprendi a reconhecer o estigma da solidão em cada vida que passa por mim, comparei existências e me apercebi qual aluno com o seu mestre que mesmo nesta festa cheia de gente feliz há quem esteja só, que na guerra a dor é bem pior, toquei em feridas de gente doente e me vi saudável, vi casais amando mas incompletos nas suas realizações e que faltara sempre uma peca de um puzzle para terminar uma vida...

Se sou feliz?
Talvez serei um dia e neste dia as cores do Universo se transformarão num arco-íris.
Por enquanto estou neste palco da vida onde as cortinas ainda me separam do público, enceno a minha própria história contada por mim e a única pessoa sentada a aplaudir-me...sou eu mesma!


Reservados todos os direitos de autor

Thursday, March 19, 2009

Apetece-me chorar...

Apetece-me chorar, como um rio que desagua no mar
O coração desembrulha uma canção
E os líricos ecoam nas paredes do meu sentir
Oiço a voz deste meu mar que chama por mim na noite
E agasalho o meu sentir com um manto negro
Deitando-me na areia a espera do meu espírito
Que há muito partiu de mim...
Saudades de um rosto parecido com o meu
Dispo as palavras ressequidas de sede
Pode ser que amanha quando um novo dia
Despertar a dor tenha ido embora!
E poderei esperar por mim no mesmo lugar
Onde deixei uma parte de mim a sorrir para a vida!

Reservados todos os direitos de autor

Monday, March 16, 2009

Quero te ter
Na medida mais precisa que eu puder.
Mas amar-te sem medida e ficar na tua vida
Da maneira mais discreta que eu souber.
Sem tirar-te a liberdade
Sem jamais te sufocar.
Sem forçar tua vontade.
Sem falar, quando for hora de calar.
E sem calar, quando for hora de falar.
Nem ausente ... nem presente por demais.
Simplesmente , calmamente ... ser-te PAZ
( Fernando Pessoa )


Monday, March 9, 2009

Sente-me...

Procura nos lábios do vento
As palavras que deslizam na profundeza do meu ser
Desperta-me deste sonho inacabado
Para que possa ver a realidade na plenitude
Do seu rosto e acompanhar a sombra do teu corpo
No vácuo do meu sentir...
Sente-me na brisa que toca no silêncio de cada amanhecer
E veras que o "Tempo" é incerto
Tal a melodia que transparece no meu íntimo
Escondendo segredos que
Nem a luz do meu olhar consegue desvendar!

Reservados todos os direitos de autor

Wednesday, March 4, 2009

Diario da Pobreza....http://www.worldvision.org.uk/

Porque me visto de dores? Uma lágrima no rosto pingando tristezas, os olhos com riscos de rímel pelas noites sem fim despertas a contemplar o vazio,
Os lábios borrados de batom de beijos a sabor a saudade, na cadeira ao lado da cama estendo os braços para a manta feita de retalhos da vida e resguardo a minha nudez!
Coso com a mestria e a lentidão de um costureiro a banhinha da minha saia feita de varina
Uso os chinelos gastos pelo tempo, deixando os meus pés a descoberto, piso o chão frio de vários Invernos
Abrindo a porta que me leva para o relento!
Uma casa sem janelas nem portas..empoleirada na varanda dos meus sonhos vejo o mundo a passar, os meus olhos sem brilho cruzam com olhares felizes, sorrio estendendo as mãos pequeninas e secas como folhas de Outono para que mo ofereçam um pouco de si, deito-me no chão já sem vergonha, adormeço num tapete magico acreditando que o vento levar-me-a para outros destinos, mas quando desperto de um sonho tão lindo, estou abraçada a uma boneca igual a mim; feita de retalhos e tão suja que as cores do seu rosto verdadeiro há muito desapareceram, e lembro-me dos truques de magia e sorrio...
Ainda é cedo para percorrer as ruas vazias a procura de mim, ainda é cedo para alimentar-me de sentimentos complexos e controversos que saciam a minha fome por uns dias, tal ainda é cedo para crescer....
- Psiu
Olho para cima, e vejo um rosto sorridente, perfeito com um olhar de pai...
Deita-me umas moedas e estende a mão..convidando a minha mão a segurar a sua....estou com urgência de afecto, de amor, de certezas e acredito que levar-me-a para um lugar seguro, para uma casa com janelas e portas....
Seguro a sua mão, sigo-o por um beco escuro e vejo ao longe uma porta pintada de verde...entramos e as luzes se apagam, grito:
- NÃO!

http://www.worldvision.org.uk/

Naela

Monday, March 2, 2009

Eu vi teus olhos. Tinham paz, não mentiam
Eu senti tua mão sobre minha fronte
Se juntar toda a força do mar com a suavidade das nuvens
ainda assim não poderei descrever teu toque
Me senti como uma folha tremendo em mãos de um furacão
Eu ouvi tua voz
Tem a firmeza dos séculos, a alegria das crianças,
o calor das mães, o poder de mil cascatas,
a mensagem de Deus
*****
Você me falou e meus ouvidos não escutavam,meus olhos não viam,
só minhas mãos se abriram à procura da graça
Só meu coração compreendia, só minha consciência captava.

Aprendi que não adianta o passado morto que deprime,nem o futuro incerto que anseia.
Você me ensinou que sou uma ponte entre o passado e o futuro
Uma ponte em construção na procura do Infinito.

OSHO*