Saturday, August 30, 2008

Utopia...

Maria Heloísa sorria ao contemplar o horizonte, calmamente sentada a apreciar o resto da vida que desprendia-se como grãos de areia entre os seus dedos da cor de marfim...

Engraçado como tudo mudara, desejava correr e sentir a brisa da manhã, rever-se no espelho da vida e trespassar para o outro lado.

Não procurava significados, nem explicações apenas um desejo exacerbado de repetir o gosto de ser criança, adolescente e Mulher!

As lágrimas já há muito haviam secado no seu rosto mascarado de rugas, cada linha uma história, um amor, uma etapa, um aborto, um filho, um casamento e uma solidão!
Caminhou lentamente...desejava correr e passar o intransponível, mas já não tinha a mesma força de outrora, abriu a porta que dava para o jardim e a luz do Sol iluminou seu rosto!
Sou um pedaço de terra, um verso rabiscado, o véu perdido no ar que o vento um dia abraçou, sou o mundo, o teu abraço em meus braços, o teu sorriso em meus lábios, sou espírito solitário, pois já há muito parti de mim!

Deixou a janela da alma aberta, sentindo a utopia que um dia o seu ser lhe ofereceu, ao longe na linha do horizonte seu espírito sentia frio... Despediu da Vida, aproveitou os ventos favoráveis que a levavam para outras paragens!

Seu coração dizia que voltaria...

Thursday, August 28, 2008

Miminho....


A minha querida amiga ♀ Venus ofereceu-me este miminhoo . Muito feliz com a surpresa, exponho aqui o selo.
*Conceito: Esse selo representa os blogs que amam algo e/ou alguém verdadeiramente (às suas maneiras). Acreditamos que se todos espalhassem um pouquinho desse amor, o mundo seria bem melhor... Seja amor ao parceiro, à família, ao desconhecido, à profissão, aos animais, à natureza, aos amigos, ao mundo em que vivemos!
Um das condições ao receber este mimo é divulgar o selo e escolher pessoas que amam verdadeiramente. Os meus amores escolhidos são:

É Proibido!!

É Proibido

É proibido não rir dos problemas
Não lutar pelo que se quer,
Abandonar tudo por medo,
Não transformar sonhos em realidade.

É proibido não demonstrar amor
Fazer com que alguém pague por tuas dúvidas e mau-humor.
É proibido deixar os amigos

Ter medo da vida e de seus compromissos,
Não viver cada dia como se fosse um último suspiro.
É proibido sentir saudades de alguém sem se alegrar,

Não ter um momento para quem necessita de você,
Não compreender que o que a vida te dá, também te tira.

É proibido não buscar a felicidade.
(Pablo Neruda)

Tuesday, August 26, 2008

Deixa-me...

Entrega-me a tua ausência,
Quero gritar teu nome, entregar a minha vontade
Deliberadamente ao teu ser,
Aniquilar com a dor e a melancolia desta
Dança ao ritmo da vida onde as batidas do meu coração
São notas musicais!
Deixa-me ser tu
Pertencer a tua alma e dar o meu nome!
Navego em teu mar,
Beijo as tuas ondas e mergulho na profundeza
Do teu olhar neste doce desassossego de amar-te antes de mim...
Como explicar ao céu que o único tecto
És tu, fecho as cortinas do mundo
Apago as luzes das estrelas
E finjo esquecer-me...Neste cantinho do mundo
A realidade és tu...apenas tu!

Sunday, August 24, 2008

"Lembre-se somos apaixonáveis...
somos sempre capazes de amar muitas e muitas vezes...
afinal de contas...Nós somos o "Amor"...
- Carlos Drumond-

Wednesday, August 20, 2008

The Time is Frozen...

Quero perder-me em ti
Não me peças para regressar e não me tentes
Procurar! Neste instante a porta fechou num estrondo
Tal o vento lá fora que cobria o tempo com o seu manto
Fiquei perplexa a contemplar a sombra na escuridão
Do meu quarto solitário
Tal a expressão ímpar do Inverno em mim...

Monday, August 18, 2008


Rasgo as pétalas em mil pedaços
E escondo as emoções num vaso sem água
Abro a porta e deixo-me partir!

Ausente de mim clamo pela tua voz,

E não respondes!
Perco-me na plenitude da minha solidão!
Sentindo o gosto amargo da saudade...

Wednesday, August 13, 2008

Tua Pele sobre Mim...


Deito-me do teu lado
Desfolho os teus sonhos
Ausento-me de mim para sentir
O calor do teu corpo e o desejo aumenta
Ali e agora!
Clamo pela tua voz e sinto
O abandono de ser tua, nesta entrega total
Infinita e húmida...
Percorro a estrada incerta dos teus
Braços e perco-me neles
Abraçando o vazio, a dor e a saudade
Na eloquência da sublimidade do amor...
Me dôo por inteira, abrindo caminhos
que a tua alma agride deixando-me nua
apenas com a tua pele sobre mim!




Tuesday, August 12, 2008

O Louco...


Perguntais-me como me tornei louco. Aconteceu assim:
*****
Um dia, muito tempo antes de muitos deuses terem nascido, despertei de um sono profundo e notei que todas as minhas máscaras tinham sido roubadas – as sete máscaras que eu havia confeccionado e usado em sete vidas – e corri sem máscara pelas ruas cheias de gente gritando: “Ladrões, ladrões, malditos ladrões!”

*****
Homens e mulheres riram de mim e alguns correram para casa, com medo de mim.
E quando cheguei à praça do mercado, um garoto trepado no telhado de uma casa gritou: “É um louco!” Olhei para cima, para vê-lo. O sol beijou pela primeira vez minha face nua.
Pela primeira vez, o sol beijava minha face nua, e minha alma inflamou-se de amor pelo sol, e não desejei mais minhas máscaras. E, como num transe, gritei: “Benditos, benditos os ladrões que roubaram minhas máscaras!”

Assim me tornei louco.

E encontrei tanto liberdade como segurança em minha loucura: a liberdade da solidão e a segurança de não ser compreendido, pois aquele que nos compreende escraviza alguma coisa em nós.

*****

Khalil Gibran

Friday, August 8, 2008

Carícia perdida!

Como a infinitude de uma carícia perdida
Beijo as palavras escritas no teu livro
Faço de mim o prefácio e o prólogo
Desfolho as paginas sentindo
A tua pele e leio-te por inteiro,
Sinto o perfume que emana através
De capítulos mal contados
E altero o título!
Faço da tua história um conto
De nos dois,
Uma biografia das nossas vidas e do sexo
Nas horas mortas quando a noite adormecia
Em nossos braços,
Na escuridão do quarto perco-me em teu olhar
Oiço a música e vejo a sombra do teu corpo
Na parede branca
Da voracidade dos nossos sentimentos
Exacerbados como um poema inacabado...
Espero por nos dois na infinitude de cada lágrima...

Thursday, August 7, 2008


Perguntarão pela tua alma.
A alma que é ternura,
bondade,
tristeza,
amor.
Mas tu mostrarás a curva do teu vôo
livre, por entre os mundos...
E eles compreenderão que a alma pesa.
Que é um segundo corpo,
e mais amargo,
porque não se pode mostrar,
por que não se pode ver.
(Cecília Meireles)

Monday, August 4, 2008

Rosto...

Luísa pegou no estojo de maquilhagem e no esboço que tinha a sua frente, sem expressão nem cor! Olhou demoradamente para aquele rosto sem traços, apenas uma cara sem contornos e fechou os olhos sentindo-se frustrada, queria gritar e fugir dali, alias este era o trabalho mais difícil que tinha em mãos...nunca havia amado e sentido amada, nunca vira a expressão do amor a sua frente, o seu coração estava em ruínas e não tinha espaço para se consagrar feliz e agora teria que pintar um rosto apaixonado, feliz e sem dores!

*****
Pegou no rosto com as duas mãos, fechou os olhos demoradamente e lembrou-se de filmes passados, histórias de amor que podiam dar vida a este rosto e ficou surpreendida consigo mesma, não se lembrava de nada, pois eram cenas que não dera muita atenção e pela primeira vez na vida, sentiu um vácuo em seu peito, como uma cave fria e isolada.... Deu uma gargalhada bem alto, alias não podia ser difícil pintar um rosto apaixonado, era só pegar nas cores vivas e colorir este rosto e ficaria perfeito! Mas no seu íntimo sabia que não era bem assim...precisava sentir, amar para dar vida a este rosto e para isso teria que ama-lo antes....

*****
Tocou nele com a ânsia de não o querer perder, deslizou os dedos esculpindo um novo sorriso pintando os lábios de um rosa suave e doce, delineou o nariz delicado e deu cor as pálpebras, indubitavelmente abraçou a sua arte, beijando suavemente cada expressão que dera vida, passou as mãos pelos cabelos da cor da noite, saboreando intrinsecamente cada sensação de descoberta, o desejo possuído que a fez estremecer desvendando a alma.
Luísa percebe algo que consegue transmutar a leve certeza de algo comum numa bela inspiração do seu ser, inspirada no amor completou a sua criação com as suas mãos delicadas, deixando para o fim o momento mais livre e puro deste sentir....limpou as lágrimas, ajoelhou perante o seu rosto e deu o último toque, subtil e inexorável: os olhos abriram-se para si!

Saturday, August 2, 2008


O Erotismo é uma das bases do conhecimento de nós proprios,
Tão indispensável como a poesia
(Anis Nin)